REFLEXÕES ACADÊMICAS SOBRE O ESTUPRO MARITAL ATRAVÉS DA HISTORICIDADE DA VIOLÊNCIA SEXUAL E DE GÊNERO

Esta pesquisa busca a reflexão e o debate não apenas sobre a prática do estupro, mas contextualizando e problematizando-o à luz das relações conjugais.

Em uma perspectiva histórica, as violências nas relações conjugais evidenciam a relação entre o marido e a esposa pela noção de propriedade, das relações de poder e, portanto, das violências de gênero. Conflitos invisibilizados pelo matrimônio. O olhar sobre o estupro conjugal busca revelar não apenas o crime de estupro, já tipificado, mas também o ato de dominação. O estudo debruça-se sobre o tema a fim de entender as especificidades da violência sexual no casamento e implicações aos envolvidos e à família.

A revisão bibliográfica objetivou estudar o estupro como prática naturalizada na sociedade, considerando como cenário um sistema que reforça essas violências, o patriarcado: sistema que dispõe de instrumentos de controle, privilégios e que acentua o feminicídio.

Um debate emergencial a fim de fomentar o diálogo para uma educação em sexualida – de, a conscientização da prática sexual consentida, o combate ao sexismo e a não abjeção das mulheres. Este é o panorama que se espera diante da promoção ao respeito e dignidade nas relações conjugais.

Confira: https://www.rbsh.org.br/revista_sbrash/article/view/11

Artigos Relacionados

Obrigação civil do cirurgião plástico em pacientes com transtorno dismórfico corporal

O mundo vem sofrendo constantes e profundas modificações as quais não podem ser ignoradas pela sociedade e por instituições democráticas. Trabalhar com diversidade sexual requer muito cuidado. Na década de oitenta, surgiu o tema transgênero, para se referir a uma classe portadora de transtorno de gênero, isto é, indivíduo que nasce com comportamentos completamente diferentes do corpo e do sexo que possui.

Saiba Mais »

Obrigação civil do cirurgião plástico em pacientes com transtorno dismórfico corporal

O mundo vem sofrendo constantes e profundas modificações as quais não podem ser ignoradas pela sociedade e por instituições democráticas. Trabalhar com diversidade sexual requer muito cuidado. Na década de oitenta, surgiu o tema transgênero, para se referir a uma classe portadora de transtorno de gênero, isto é, indivíduo que nasce com comportamentos completamente diferentes do corpo e do sexo que possui.

Leia Mais »

Apareceu o Margarida: liminaridades e masculinidades no futebol

O mundo vem sofrendo constantes e profundas modificações as quais não podem ser ignoradas pela sociedade e por instituições democráticas. Trabalhar com diversidade sexual requer muito cuidado. Na década de oitenta, surgiu o tema transgênero, para se referir a uma classe portadora de transtorno de gênero, isto é, indivíduo que nasce com comportamentos completamente diferentes do corpo e do sexo que possui.

Leia Mais »

“SEM VERGONHA, para você que está dentro ou fora do armário” – Blog de conteúdo multimídia para jovens LGBTI+

O mundo vem sofrendo constantes e profundas modificações as quais não podem ser ignoradas pela sociedade e por instituições democráticas. Trabalhar com diversidade sexual requer muito cuidado. Na década de oitenta, surgiu o tema transgênero, para se referir a uma classe portadora de transtorno de gênero, isto é, indivíduo que nasce com comportamentos completamente diferentes do corpo e do sexo que possui.

Leia Mais »

A dignidade da mulher em questão: uma análise ético-interpretativa da violência de gênero a partir de Juízes 19

O mundo vem sofrendo constantes e profundas modificações as quais não podem ser ignoradas pela sociedade e por instituições democráticas. Trabalhar com diversidade sexual requer muito cuidado. Na década de oitenta, surgiu o tema transgênero, para se referir a uma classe portadora de transtorno de gênero, isto é, indivíduo que nasce com comportamentos completamente diferentes do corpo e do sexo que possui.

Leia Mais »